7 ago. 2008

SESMARIAS E PODER em pleno séc. XXI

http://nucleoptsaopedro.blogspot.com/

Desde já:não votem nulo.Reflitam antes.

Meus caros, estou reeditando este texto .Apos fatos inusitados , afim de melhor pensarmos politica em nossa vida. Para pensar Direita e Esquerda ,assim como surgiu a discussão que começou em uma sala de aula.

Ensinar não é encher jarros, mas sim derramar o óleo para acender fogueiras.
O Brasil ainda vive na época das sesmarias. Jacarepaguá é classico exemplo de capitania e sesmaria .Aqui a liberdade é cerceada.Aqui ou noutros glotoes de nossa cidade.

Para revisar do ponto de vista historico e nao meramente num apelo jornalistico vamos folhear o livro Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Hollanda,pai do nosso famoso cantor e compositor.Depois desta leitura tirem vossas conclusoes .Anacronico?Nada.E lá está: fundou-se o Brasil pautado nas capitanias hereditárias e que explicando o sistema de influencias regionais e os mandonismos e relações patrimonialistas e patriarcais.Nisto viajamos do séc. XVI-XVII aos dias de hoje.

Observando as relações que curiosamente são reproduzidas nos partidos políticos, no que tange ao patrimonio publico ,especialmente no DEM e PSDB, detalhamos cujos mandatos e açoes de suplentes em sequencias de nepotismos e 'hereditarismos' nos assentos do poder. Poder que segue de pais para filhos.Tios para sobrinhos e afilhados politicos, onde atuam como fosse a politica um bem particular,um negocio como das empresas ditas familiares, sendo que na esfera do que seja publico impera o uso e abuso para motivo de muitos fracassos e falências das mesmas estruturas.O que há assim é uma grande relaçao tal como nas grandes propriedades, nos grandes latifúndios, relaçao esta que criou uma estrutura de poder e de cultura do Senhor do engenho, do dono dos cafezais, dos donos de senzalas que ainda hoje repercutem na sociedade produtiva, nas elites proprietárias de melhores condições econômico-financeiras, espargindo sobre as elites das classes militar e acadêmica. Todas se achando donos dos privilégios, os ‘pai-patrão’ de pessoas e entidades, e assumindo-se como seres especiais de uma elite do saber, a “Elite do Poder”do conhecimento e da cultura, intitulando- se mandatários nobres por excelência, os únicos aptos a ser dirigentes, sendo portanto a espécie qualificada para governar, os ‘predestinados salvadores da Pátria’.

Tudo que não for e não vier do meio social dessa elite oligarca e não for qualificado por eles não terá valor algum.Olhemos por exemplo Jacarepaguá , antiga sesmaria e o quanto urge mudar isto !Uma verdadeira capitania hereditária em que o donatário nomeia seus sesmeeiros. E sobrinhos e afilhados políticos,promovendo festas ou através de Centros Sociais,...Mas infelizmente não apenas em Jacarepaguá, esquecida zona oeste carioca e sob o jugo do trafico ou milícias ,mas algo que se repete nas regiões de nossa capital e nas cidades do interior dos nossos Estados onde política se confunde com desanimo,mesmice, conchavos e roubalheira.

E nota-se que vem daí ,desta elite política e econômica, mesmo a formada pelos emergentes, a ojeriza a tudo que tenda a favorecer ao coletivo, ao social.Neles incurtido o racismo e preconceito disfarçado aos considerados por essa elite favorecida como incultos, "famintos", "sujos" ignorantes, "aqueles" "do andar de baixo", que tem de estar sempre sob a tutela, guia e domínio dessa dita elite classica ou dos emergentes que predizem se 'do povo',mas nas amarras do poder, fazem o uso da politica da epoca do voto de cabresto ás massas.

Fazer nosso trabalho coletivo ,para estes é perigoso.Exemplo?Varios.Vide o que nosso prefeito carioca ,Ave Imperador do DEM,que proibiu e recorreu a justiça para que os Pres Vestibulares comunitários não usem um espaço publico,o das escolas municipais. É a mesma gestão que acompanhada é de caça e discriminação a movimentos sociais pelo uso policial.Pensar e criticizar a estes domínios colonialistas os incomoda!Daí o repúdio que essa "classe privilegiada" manifesta sempre que um governo ou uma liderança se coloca ao lado das classes menos favorecidas, quando há uma tendência ao estabelecimento de conquistas sociais, quando alguém olha os interesses coletivos, quando governos ou lideranças comunitárias, lutam pelo povo do andar do meio e pela maioria daqueles que estão no andar de baixo do edifício socioeconômico.

E daí tais questões de ordem social coletivas sempre são tachadas de "comunistas" , "esquerdistas" , demagógicas, populistas e assim mesmo quando essa elite de pais-patrões está de bom humor, pois quando o fígado lhes azeda, saiam debaixo porque aí vem mais uma "revoluçãozinha" a bem da "ordem" para salvar o País do "demônio" e "libertar" a nação daqueles que ousam sair do rumo explorador do "deus-capital" , para extirpar aqueles que ousam desobedecer seus poderes de mando e suas regalias de proprietários dos bens, produtos, pessoas e do cofre do Estado. Ou cá em nossos glotões fazem uso de outra força. A coação mais bruta e direta sobre aqueles que os diretamente incomoda.Sabemos bem disto e quais mecanismos eles adotam,mas é muito fácil apenas cruzarmos os braços e achar que apenas nas eleições que poderemos dar a estes respostas...

Temos de nos organizar.E romper este conceito, teoria e pensamento que a classe favorecida privilegiada dos oligarcas conservadores leva ao ocuparem o poder público, ao tomarem assento nos cargos e encargos representativos, nomeados ou designados, nas esferas municipais, estaduais e federais.Agem neles como se fossem a própria aristocracia escravista rural do feudalismo de antanho, restringindo e excluindo toda e qualquer conquista individual, social e coletiva dos seus "escravos" subalternos

São os mesmos que ocupam cargos públicos para prestigio e interesses pessoais.E para o uso do nepotismo disfarçado hoje através da terceirização e licitações favoráveis a empresas e remessas a ONGs inúmeras vezes de fins escusos, onde grassam o dinheiro publico

Essa mesma classe elitista conservadora, denominando- se liberal, trata os conceitos constitucionais universais de alimentação, saúde, educação e moradias públicas, não como um direito inerente à pessoa humana, mas como uma vertente do consumo, como um direito a ser adquirido segundo certos privilégios especiais, e condições definidas e delimitadas por eles próprios, elite favorecida liberal, e seus interesses, prerrogativas e parâmetros econômicos financeiros, e não pelos interesses da sociedade e da nação.

Não há nenhuma preocupação por parte dela, elite monolítica e cristalizada, proprietária do capital e do poder econômico, em criar condições e oportunidades para a melhoria sócio-econômica dos seus "dependentes subalternos" do andar de baixo

Não há nenhuma intenção em construir ecleticamente, formas adequadas de convivência entre as diversas classes da sociedade multicultural brasileira.

Pela conversa tempos atrás que tive com uma amiga extremamente politizada e junto aos alunos nos últimos dias ,pude observar que em um primeiro momento não seria condição necessária ser rotulado de "esquerdista" , socialista, anarquista, religioso ou adepto da classe trabalhadora para amar, atuar e criar vínculos efetivos e reais com os desvalidos e desfavorecidos. Não seria preciso ter as etiquetas ,estar partidarizado e adotar rótulos marginais acima citados para lutar e defender os que moram em favela, os sem tetos, os sem educação de qualidade, os sem trabalho digno e dignamente remunerados, pelos os que dormitam à sombra das marquises e nos bancos de praças, pelos sem justiça igualitária e reta...

Mas não vamos ser utópicos e desprezar o partidarismo. Pertencer a uma sigla , mais que um aporte fisico- coletivo, torna-se aporte o qual se estrutura em um regime dito democrático e representativo onde concebo então o partidarismo como uma ferramenta, para diretamente estar forçando determinadas portas. Em espaços de luta ferrenha como conhecemos, pertencer a um coletivo é a garantia de que não estaremos a sós com ‘o inimigo’.E para não sujeitarmos nos facilmente as boas falas dos que desejam votos,os que dominam a política pelo assistencialismo, pelo apadrinhamento ,devemos estar organizados e atentos.Precisando como cidadãos,acima de tudo ,ser humanitários e talvez está seja a primeira ideologia a ser assumida,antes de se pensar Direita X Esquerda. É bastante apenas que se proponha a ser cidadão, desejar ser humano na dignidade de nossa humanidade primeva, ter civilidade e senso comunitário, basta querer justiça política social e sonhar com um mundo ideológico, político e econômico, fraterno e igualitário, mas acima de tudo ter vontade, potencia e honestidade em acertar o caminho do Bom, do Bem, do Belo e do Verdadeiro.

Mas quero fazer entender aqui o por que do partidarismo e sua importância na luta contra o sistema a qual apelido de neo seesmeiro.Nisto reforçaria ,primeiro ,que também para aos que não provêm de uma classe proletária ou dado movimento de reivindicação de base,aqueles que não vivem sob cercos, não sofrem os preconceitos hipocritamente mais consuetudinários em uma sociedade capitalista de acúmulos de PODER/Status/Habitus adequado, caberia mais que abstração e esforço teórico, mas o modus vivendis e habitus ao que estes ,os a mercê de toda sujeição são submetidos pelos agentes que lhes coagem em sociedade.Mas nisto a força do partidarismo.Mais que sectarismo quase costumeiro do ambiente em que se milita (sindicato de profissões liberais, etc)pertencer a uma sigla ,embora possa parecer tacanho ou simplista a outros olhares, digo que , estar em uma sigla, mais que um aporte físico- coletivo, torna-se aporte o qual ,se estruturado em um regime dito democrático e representativo , concebo então este,o partidarismo, como uma ferramenta, para diretamente estar forçando determinadas portas ao exemplo de inúmeras entidades sindicais e reivindicações sociais que com seus agentes buscam modo mais direto para não permitirem interpolações em suas vozes e aclames.

Não venho aqui ser panfletário.Na verdade o que me faz escrever isto é a necessidade de mobilização via Movimentos Sociais ou formas de organização de bairros.Mas vos digo: na sociedade capitalista, até sentimentos são mercantilizados.O homem torna-se sujeito ,subjugado pela voracidade da busca por status, competição e desigualdade,portanto,ser capitalista e ao mesmo tempo deixar os fins do lucro parece inviável.Enfim, o capitalismo seria incoerente se desejasse ser realmente humanitário...basta lhe as moedas de esmolas que oferece para a política assistencialista e de filantropia...

Não podemos nos calar e assistir a tudo isto a nossa volta!Temos de nos organizar.Nós proletários, a gente comum da terra, lembrai vos: a terra e a força de trabalho são nossas.

O que perturba não é apenas o ruído dos ruins e o que eles fazem.Mas o silencio dos bons.Nossas ruas já estão cheias do assistencialismo e a industria do pão e circo...

Mobilizemos-nos por nosso bairro, por nossas raízes, nossa identidade.Façamos o trabalho da formiga e da ferrugem.Devagar se vai longe. E quando nos cansarmos temos de usar ainda maior força!

Por Terra e liberdade.
Pensar Direita e Esquerda no dia –dia ,mais na prática ,menos na teoria.

Fides et labor:5''

2 comentarios:

Anónimo dijo...

texto sinistro professor

abç~o

Anónimo dijo...

ja vi pelo email q vc mandou mas vc mudou um pouco nao foi? em tempo

valeeeu ,tiago