15 jun. 2009

A outra esperança perdida.

*ou mais outra perdida.

Tenho quase certeza de que deveria estar tomando este espaço a coisas serias...
-Pois então basta meu amigo, chega de egoismo.Não é nada pleno, falar coisas de si, sobre si e a um mundo.
Cala a boca e dorme.Ainda que resumido, do mundo que digo,sou responsavel, o unico por ele..
-Quanta modéstia para a resumida verdade de que em cada individuo há um mundo...

(Cego ao Espelho)
Hoje é um dia,e foi-se,por que em demasia ruim.

"Não faças versos sobre acontecimentos. Não há criação nem morte perante a poesia. Diante dela, a vida é um sol estático, não aquece nem ilumina. ..."Drummond.

-'Seu Drummond',mas vale o desabafo,não vale?

Quando deixo as idéias
Quando penso abstratas
Eu, cego, sinto as imagens
Ir mais além por quê?
Não há mais ninguém...
Ir além das palavras
Ir além da imagem
Ir além das dunas desertas
Ir mais além
Ir mais além por quê?
Não há mais ninguém..."



Não é amor. Nada que exigisse grande reflexao ou divagaçao no ombro de amigo, em busca de alguma filosofia. Não é coisa alguma senão uma grande porrada da vida. Queria começar um caminho novo. Seria dedicaçao ,planos ,eram planos esses da vida comum assim como todos os individuos notadamente comuns e anonimos bem tem e sempre se calam, por que de tão simples, que lhes cora o rosto. Consistia em maior abdicação, esforço e para envelhecer crendo se ainda moço e com forças. E então veio como um atropelamento. Mas ,problema, é que, como fora surpreendido.Fora um raio? Um sinistro num quê de magico e ofensivo? Era ele quem sempre atravessava a rua prevenido, no semáforo,porque a vida dependia de cada passo medido.Porém veio o carro e num átimo,zás trás ,pimba, o corpo tombou lá no meio de uma vala, longe.

Sobrou uns gemidos, porque nem gritar podia, senão socar o chão ate sangrar mais e os punhos.Feliz ou infeliz, sobrevivia. Mas agora manco e puta dolorido.E sem seguro desemprego.Literalmente fodido.

Perjúrio

Sei que existe um lugar
Bem quentinho pra eu ficar
Sei que existe um lugar
Bem gelado pra eu me deitar

Eles mal me cabem
Eles esperam por mim
Eles mal me cabem
Eles esperam por mim

Então me mate...
Que eu não consigo me matar...

Depois que aprendo ,eu ‘se’ mato

Eu juro.
Eu juro.


Que a vida me fosse assim , eternamente anos 60.Cançoes, rumando a Eretz,sem fronteiras, sem limites, e o sonho realizado algum dia.

No hay comentarios.: