5 ago. 2009

Manifestação dos Prés Vestibulares Comunitários em 1 de Agosto

1 de Agosto aconteceu!

O movimento de Prés Vestibulares Comunitários da cidade do Rio de Janeiro, uma vez mais coordenou uma manifestação pacifica e apartidária em sua luta e reivindicação pela devolução das salas de escolas municipais ,sito após uma reunião com a secretaria de educação do município Sra Claudia Costin. Desde 2006 uma série das mesmas manifestações temos organizado. E tem sido promissoras no sentido de salientar a necessidade de coletividade e luta pelo espaço nas escolas, mas tambem em sentido amplo, quanto a politicas publicas voltadas a educaçao, ressaltando a educaçao laica e voltada aos mais carentes .

Na manifestação contamos com alunos, ex alunos,professores ,todos nós nos espalhamos pelo largo da Taquara em Jacarepaguá ,bairro da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro para falar e distribuir panfletos explicando nossa causa e a razão de nosso movimento em favor de uma educação de qualidade e bem como ressaltando que direito conquistado não se barganha.

A lei orgânica do município nos dá respaldo e acesso ao uso das salas ociosas das escolas municipais, porém já a três anos e hoje mesmo sob outra administração da prefeitura,Sr. Cesar Maia anteriormente,e agora sob comando do Sr. Eduardo Paes ,nosso movimento continua despejado e sobrevive da ajuda de espaços emprestados para nossas aulas.Nossa causa espera a açao do MP. Este movimento existe já a 13 anos e garantiu acesso a milhares de alunos ao ensino superior de qualidade. Lutamos pela inserção dos mais carentes ao ensino de qualidade, sem assistencialismo,sem personalismos, e sim,com próprio protagonismo.

Porém ao que observamos ,por medidas e atos de exclusão ou desprezo a educação popular e aos mais carentes,sem dizer interesses políticos de quem mercadeja a educação ou não talvez não compreenda a nossa luta contra o déficit da educação e dever do Estado em prover uma melhor educação básica aos mais pobres , continuamos prejudicados por medidas como a tal.Não queremos nada além de nosso espaço .Escola publica é de uso comunitario. A lei frisa.E assim restabelece seu justo uso. Tampouco negociamos como quem espera um favor da secretaria de educação ou da prefeitura. Queremos apenas o que é nosso por direito.Direito conquistado nós não barganhamos!

Primeira parte do vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=U1cnP9ELMSQ

pelicula-http://www.youtube.com/watch?v=U1cnP9ELMSQ

Segunda parte do vídeo com um pouco da fala de alguns professores ,alunos e ex alunos do movimento em ato realizado no Largo da Taquara ,Rio de Janeiro.Difícil é mobilizar. Difícil e a própria população mais carente por vezes não compreender que nossa luta faz parte de suas lutas diárias por saúde, transporte, trabalho. Por vezes vemos que mesmo medidas do governo nos atinge como o Prouni.Isto porque o Prouni é um paliativo para inserção. Mas desmobilizador ao jovem, porque tira o peso da coletividade. Individualiza a conquista.

Nosso movimento luta por políticas publicas sem apanágio e pelo viés da coletividade, mesmo em tempos em que militância pari passu é entremeada pelas urgências pessoais de cada e o proprio individualismo comumente frisado pela figura do Self Made Man. Lutamos a favor das cotas e contra o exclusivismo étnico e classista que ainda permeia a sociedade e os acessos a universidade publica de qualidade por analisar uma sociedade ainda segregada e com mais de um século de República e igual atraso quanto a democracia e direitos,politicas de bem estar social a todos segmentos da sociedade.

inda em 1 de junho deste ano na manifestação a favor das cotas ,realizada no Centro do Rio pude comprovar: apesar de todos os problemas o PVNC segue. E vejo com esperança as articulações efetuadas com companheiros de prés vestibulares independentes ,do Prove, entre outros. Mas friso aqui o movimento do qual faço parte, o PVNC :fato é que dois meses depois o PVNC sob a representatividade dos núcleos Anil e Rio das Pedras e outros movimentos como os citados,organizou a manifestação contra a medida da prefeitura .Nosso movimento sobrevive ,pois, a educação,friso a popular,que dialoga com o que é de necessidade e cotidiano da massa, é o caminho para o progresso e emancipação do individuo.Salve Paulo Freire que nos deixou a lição de que trabalhar com educação popular é trabalho constante, exemplo que temos de nossos professores, coordenadores e militantes para além do próprio projeto.

E difícil mesmo é apenas criticar ou ser refém é não fazer nada.Então...Uma outra segue a segunda parte de um dos vídeos ,uma rápida tomada de parte do ato que iniciou se na manha do sábado 1 de agosto no qual nos espalhamos pelo Largo da Taquara para divulgar a questão. Foi bonito! Reinvidicar é também fazer pressão. Como falamos em nosso movimento,para conquistar e forçar políticas publicas em nosso favor é como cozinhar feijão: só na pressão!

Desde já penso que temos este dever e tarefa para após a questão interna de nosso coletivo: contatar urgentemente os prés independentes e do PVNC de nosso Jacarepaguá, e assumirmos a posição de agentes em rede de mobilização e ativismo para além da atuação na própria educação.

Segunda parte do vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=33caLz78pqA

pelicula- http://www.youtube.com/watch?v=33caLz78pqA

Em coletivo de analise pós manifestação em reunião tida na comunidade Canal do Anil , em Jacarepaguá ,nesta terça feira 4 de Agosto até as 22h, fica resolvido que nosso movimento continuara em sua luta. Desde já a chamada para a próxima reunião ,no próximo sábado as 16 no CAIC Comunidade Rio das Pedras.
Aos que não puderam comparecer ao nosso ato deixo a reflexão e o convite :venha, participe!
Agradecimentos a todos que compareceram e apoiaram.

Deixarei em breve no blog algumas fotos do ato e um ensaio sobre as ja acontecidas.

Armando Aguiar
Historia –PVNC Anil/Educom Gardênia Azul.

* aqui opiniões pessoais no que tange a políticas publicas.Falo como integrante do movimento.

2 comentarios:

Anónimo dijo...

negocio e ir pra rua mesmo, valeu pessoal quando sera a

Anónimo dijo...

agora li,bom fim de semana armando

marcelo