30 nov. 2008

Brasil,Esquerda e Israel I

A CONIB – CONFEDERAÇÃO ISRAELITA DO BRASIL, representante da comunidade judaica brasileira, levou ao conhecimento dos senadores Aloizio Mercadante, Arthur Virgilio, César Borges, Cristovam Buarque, Eduardo Azeredo, Eduardo Suplicy, Marcelo Crivella, Francisco Dornelles, Jarbas Vasconcelos, Kátia Abreu, Marco Maciel, Marina Silva, Pedro Simon, Romeu Tuma, Sergio Guerra, Serys Slhessarenko e Tasso Jereissati, o teor de manifestação enviada ao Ministro de Relações Exteriores, Embaixador Celso Amorim.

Na referida correspondência, a CONIB expõe ao Itamaraty a preocupação da comunidade judaica brasileira com a intensificação das relações diplomáticas do Brasil com o Irã, em razão da incompatibilidade do regime político e democrático vigente em nosso País com aquele presidido por Mahmoud Ahmadinejad que, além de negar o Holocausto, também rejeita a existência do Estado de Israel, Estado soberano e reconhecido pela ONU, de cujos tratados e convenções o Brasil é signatário.

Resta a esperança na capacidade diplomática do Presidente Lula, fiel e fraterno amigo da comunidade judaico-brasileira e admirador do Estado Judeu, no intuito de intervir junto ao governo do Irã, contra as ameaças propaladas por Ahmadinejad.

*Chegou a hora da esquerda brasileira que tem consideravel representatividade politica junto a comunidade judaica, cita-se aqui o intelectual Paul Singer, Clara Ant, André Singer (porta voz da presidencia da Republica),Gorender, o ministro da justiça Tarso Genro, o Governador da Bahia Jacques Wagner,o ministro da economia Guido Mantega, dentre outros tantos e mostrar que ,para esbulhar qualquer reaçao conservadora e anti Esquerda-anti petista dos setores mais 'adodoncados' da comunidade que nem toda Esquerda é simplesmente ,por pirraça, partidaria de qualquer nacionalismo anti israelense,e sim, tambem versa por negociaçoes em favor da paz no Oriente Medio. E e preciso recuperar o legado da atuante esquerda judaica que desde a leva de imigrantes anos 30 trouxera ao pais , militancia que ,ora, na ditadura de Vargas, quanto na dos anos 60-70 , em muito foi ativa.

Havodá Neles!

Shavua tov.
E continuo devendo duas series de artigos:
-Esquerda judaica
-Judeus e judaizantes do suburbio

No hay comentarios.: