5 ene. 2009

Em defesa de Israel -IDF no 'Hamastão':Artigos e notas

Hasbará

Sobre Tzahal versus Hamas -no Hamastão (GAZA)

Sobre o conflito- com o jornalista Henry Galsky ,acessem :
http://cartaecronica.blogspot.com/2009/01/israel-em-luta-com-o-ir-e-hamas-busca.html

Opiniões ...

O momento é dificil.Vitimas de um lado,qassans, acusações ridiculas de outro, ânimos acirrados e o antijudaismo transvertido de anti-sionismo saindo de sua hibernação. E tudo então se soma ao barril de pólvora. Lamentáveis são as generalizações.E as formas de atearem fogo atráves de pechas ,estereotipizações e o velho senso comum.

Estou postando artigos e notas: uma ressalva :simples leitura diferente de uma leitura critica.

Abaixo o parecer em Defesa da ação das IDF afim de neutralizar o Hamas e seu reinado no 'Hamastão',isto é GAZA .Acessem para lerem este otimo artigo do jurista Alan Dershowitz em, http://moishe-hess.blogspot.com/2009/01/sobre-tzahal-versus-hamas-gaza.html.
Em seguida notas oficiais da ASA (Ass.Scholeim Aleichem) por conta do enorme desgaste politico a Israel e o posicionamento da opinião pública e inumeras ilaçoes antijudaicas à solta.
Veja em: http://vidasmarranas.blogspot.com/2009/01/nota-da-associao-scholeim-aleichem-asa.html

E por fim, a nota oficial da Conib quanto ao que acontece em Gaza.
http://vidasmarranas.blogspot.com/2009/01/nota-da-conib-sobre-atual-situao-no.html

Bnai Brith: http://vidasmarranas.blogspot.com/2009/01/bnai-brith-do-brasil-israelenses-e.html

Artigo Tzahal X Hamas I -http://vidasmarranas.blogspot.com/2009/01/exercito-israelense-x-hamas-em-gaza.html

E demais arquivos dispostos antes do ultimo shabath aqui no http://www.vidasmarranas.blogspot

No mais é muito fácil trazer para terras tupis o conflito .Então uma frase bem curtaaos radicais e reacionários de plantão: se não quiser ajudar, não atrapalhe!

Não é preciso ser torpe (e racista)para cunhar sionismo do pior adjetivo só para dizer se verdadeiro humanista- e galgar um posto de ignorante assumido .Por outro não é preciso ser estúpido para marginalizar movimentos por direitos civis como os que existem na America Latina e colocar num mesmo balaio de gatos ,lado a lado de terroristas que tomam civis como escudo em suas operações.Não à qualquer espécie de reducionismo em um momento no qual os lados infelizmente preferem reproduzir informes e não pensarem antes de terem um minimo senso critico.

Chai am Israel.Sionismo não é nazismo.
Shalom.


5 comentarios:

Anónimo dijo...

ah lorota! pra mim todo comuna que nem tu é reaça!sai de cima do muro

Anónimo dijo...

negozinho de defender esse partidinho de merda

coisa de bandeirinha vermelha
tudo lixo

Anónimo dijo...

a é entao leia meu caro

mesmo entre os israelenses há quem acuse Israel de promover um genocídio na região, como é o caso do historiador israelense e ex-chefe do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Haifa, Ilan Pappé. O historiador confirma que, no dia 23 de dezembro de 2008, o Hamas havia se comprometido com a trégua, desde que o bloqueio econômico a Gaza fosse suspenso. No dia 26 de dezembro, o governo de Israel autorizou, temporariamente, a entrada de suprimentos em Gaza. Traiçoeiramente, no dia seguinte, 27 de dezembro, iniciou o bombardeio.

Conta-se que em um intervalo de quatro minutos, mais de cem bombas foram disparadas contra mais de cem alvos do Hamas. Os ataques começaram às 11h30, com as ruas cheias, o que evidencia a intenção de matar o maior número possível de pessoas. Ao final daquele primeiro dia de bombardeios contavam-se 200 mortos e 700 feridos. A força aérea israelita havia destruído casas, hospitais, universidades, escolas, prédios públicos, mesquitas, redes de água e os túneis por onde passavam a comida e os remédios. No dia 3 de janeiro, Israel inicia o ataque por terra, para completar o holocausto. É a chamada "Operação Chumbo Grosso".

Em junho de 2008, representantes do Hamas e do governo israelense chegam a um acordo de cessar-fogo na região, mediado pelo Egito, com duração de seis meses, e que expirou no dia 19 de dezembro. O grupo palestino decidiu não renová-lo, por entender que Israel não havia cumprido a sua parte no acordo, que era suspender o bloqueio econômico imposto à Faixa de Gaza.

Anónimo dijo...

Segui o link que você deixou no orkut..Olha só uma coisa: você não foi muito feliz colocar a Bnai Brit Aqui...Cara este tal de Abraham Goldstein uns meses atras chamou seu Partido de anti semita. E ai ,o que você me responde?O tipo de defesa que eu renego e tenho até vergonha. É um reacionário, é mais um dos milhares de alienados que esqueceu-se de suas origens junto a massa de pobres e história como vítima e não como algoz. Concordo com você quando leio tanto alarde por causa da declaração do PT, para mim é palhaçada mesmo de um bando de classistas que tem mesmo é asco por este governo, e não é pela ideologia...

No mais cara não posso concordar com isto. Israel tem seu direito de existir, eu mesmo poderia fazer alyá, mas aqui ou lá, não posso concordar. É um massacre. Hoje até comboio da Onu levou tiro!O absurdo !

Fica na Paz!

Marcos

Anónimo dijo...

Oi!

Não tenho muito a escrever,mas acambei comparando aqui com outros espaços...bom saber o que está nos bastidores

mas por quê não escreveu mais?estamos já na metade do mês...

fiquei esperando.

:)

mari