26 may. 2009

Rio: Por uma cidade sem fronteiras



Geograficamente o Rio de Janeiro é democrático. Talvez até mais que São Paulo, cidade da qual retornei a alguns dias.No Rio em cada bairro o asfalto e o morro se encontram,seja na vastidão da Zona Oeste seja nos morros meia laranja da Zona Sul ou maciços da Zona Norte.Cidade Maravilhosa.E Democrática.No sentido conceitual, da diferença entre segmentos sociais,diria é,repito, democrática, porém em termos,por que esta proximidade nos traz uma outra verdade, a falácia da verdadeira democracia de espaço,tal como no mito carnavalesco Gilberto Freireano da Democracia racial(sexual?)

Rio 40 graus,da beleza (e do caos,dirão leitores de jornais que impõe,ou acham impor suas opiniões como opiniões midiaticas,mas 'públicas').Cidade esta em que cada qual parece ter seu lugar social, cada vez mais definido ou imposto pelos estereótipos quanto aos moradores de comunidades. Exóticos ou estranhos.E o pobre gente fina, que se vira nos trinta ou então é pechado como o malandro, o eterno malandro,só que sem a cartola. Mão de obra das classes mais abastadas,o exercito reserva para a economia e subemprego assim acompanhamos estas imagens pre conceituais. E seguimos assistindo a fácil leitura desejada quanto aos planejamentos urbanos quanto a ordem urbana e ação criteriosa(?)política

Tal é o caso do Muro.Ou muros.Defensor do meio ambiente ,paro e penso: protego as matas , mas e quanto a vida humana? Se há ocupaçao irregular do solo é por que há muita coisa errada acontecendo a décadas.Voltemos a historia do surgimento das favelas? A original politica do bota abaixo e escorraçamento dos mais pobres quando parri passu dava-se o embelezamento e afrancesamento do Centro do Rio antigo?

Há quem defenda como a exemplo de uma vereadora da Zona Sul que não erra e diz:O muro não separará a favela do asfalto.E sim a (s)favelas das matas.Bem, e quem separará os condomínios das matas?Ha um olhar em relação aos tantos que proliferam desde Vidigal a Campo Grande?Só se criticam as favelas.Muros? Melhor: por que ao invés de milhões com muros, já sabendo dos porquês do crescimento das favelas, não combater então a especulação imobiliária, a falta de política habitacional alijada de um sistema de transporte de massa e outras ações de inserção social para combater os exclusivismos presentes a décadas?

O muro e uma solução simples, fácil, imediata por demais. Impedira o crescimento horizontal das favelas.Mas para coibir o crescimento vertical, construirão gaiolas?
Já o muro cercando favelas no Rio seria a mais completa demonstração de não uso do conhecimento. Vai servir para interromper o crescimento horizontal ? Não ! Na verdade, vai ser uma parede para um domicilio do lado de dentro e outra para o do lado de fora. Sei que vão responder que estarão fiscalizando. .É mesmo? Então não precisa de muro...

E verdade que alem dos riscos por conta das construções em áreas de verde , ares de riscos, precariedade, a solução seria coibir alem do crescimento uma piora da qualidade de vida intra comunidades,porem no que tange as favelas da zona sul carioca, onde estão previstos os muros, tem tido mais de 95 % do seu crescimento na forma vertical...são dados do IPP, da FIRJAN e quem mais for medir. Então, esse é o problema...e, como não se trata mais de desvalidos chegando sem rumo nem casa, e , sim , de um negocio ilegal que paga tributos à bandidagem, sejam traficantes, milicianos ou poder público corrompido, O VERDADEIRO PROBLEMA é o controle
territorial por parte da bandidagem, a perda, pelo Estado, do monopólio do uso da força nesses territórios.E a solução não será via construção de muros!

Murar as favelas tem um impacto simbólico terrível. É gueto, separação.É partir a cidade voluntária e conscientemente.Não bastasse a vista grossa aos condomínios de médio e alto padrão que privatizam ruas residenciais e de outrora livre acesso a transeuntes, agora em toda cidade em regiões com potencial especulativo, a política de construir muros mata nosso mais precioso bem , arruina nossa alma, e o faz sem beneficio algum. Se vamos enfrentar os problemas urbanos ,será com métodos do
século XXI ou com muros medievais?

Não precisamos de muros, muros nada abstratos, mas de puro concreto.Precisamos de pontes. Mais que materiais, mas nos pensamentos quanto às diferenças e as exclusões que vivemos nesta cidade .Muros?para que muros?para a empreiteira x ou y prestando serviços a EMOP (empresa publica criada pelo PAC no Rio) ganhar milhões enquanto as favelas merecem é ação social e não esta forma de contenção. E preciso Estado para que não haja poder paralelo de qualquer sorte .Depois do caveirao, agora um muro? Muro disfarçado de eco pensamento,ou de meia cerca como negociado com a Associação da Rocinha ,mas não deixa de ser um muro. E então por que não um muro virtual com apenas marcos via gps, monitoramento mais barato,por que pouco adianta criar muros e abandona los, não? Eco-limites aperfeiçoados para resistirem ao roubo de cabos de aço, do esburacamento que será feito, as obras superfaturadas,...

Já me mostraram diversos projetos bonitos e que comunidades apreciariam...Eco-limites digitais são um exemplo: basta marcar com GPS e por uma barreira fisica decente,mas simples (uma estaca!)E todos nós acompanharmos pelo google earth ou outros aplicativos e olha que a vigilância da sociedade é poderosa...

Precisa lembrar que até o muro do rio Grande para barrar imigração ilegal nos EUA na fronteira do México só tem funcionado bem agora, com internautas vigiando a partir de centenas de câmeras ?

Vai servir para segurança, para evitar que a bandidagem use as matas como refúgio ? Não!Quem vai conhecer os buracos, as passagens secretas, os túneis, será a bandidagem.. .para a policia vão sobrar as armadilhas ,mais policiais sendo tocaiados ou tendo de agir com maior força dada a paranóia ,sem dizer de pular ou dar a volta toda no muro...

Muros não serão práticos,serão quebrados, furados. o trafico agradecera por que para o policial, será o marginal é quem saberá de todos os buracos que levam da favela a mata. Precisamos de pontes! E estar de olhos abertos as cancelas dos condomínios de alto padrão que vedam acesso a espaços públicos. Ao invés de muros ,políticas habitacionais para pobres e não financiamentos da CEF para tão somente as classes medias.Se fizermos isto inibiremos os quitinetes verticais que proliferam se, muitos como neo cortiços,onde os seus donos exploram e lucram com a pobreza e déficit habitacional nas favelas e bairros pobres!

Não aos muros! E neste caso é um muro que não serve para coibir terroristas e sim 1/3 da população carioca. Um muro para dividir a cidade em cidades.E isto não e a solução!Há os leitores de jornais como O Globo que escrevem com receios e de que O Estado tem de 'intervir', por medo de um dia “O Morro descer ao asfalto” e a 'Desordem' que impera. Coitado destes. Cegos esquecem que a cidade é que pararia quando “o morro resolvesse não descer mais ao asfalto”.

É ...teriamos as dondocas e playboys tendo de portearem seus prédios, lavarem calçadas,socialites no tanque lavando a roupa,'sinhôzinhos modernos'fazendo a mecânica de seus carros,dirigindo os,botando o lixo pra fora,etc

Seria uma imagem belissima...Otima forma de mostrar a hipocrisia de nossa cidade...
O RIO NÃO PRECISA DE MUROS, O RIO PRECISA DE PONTES.

No hay comentarios.: